IAREP Country Representative for Brazil PDF Print E-mail

Vera Rita de Mello FERREIRAvera rita

This e-mail address is being protected from spambots. You need JavaScript enabled to view it

Homepage


Economic Psychology has only recently begun to grow in Brazil. However, it has already been established in Europe, North America, New Zealand and Australia for some decades now. It studies the economic behaviour of individuals, and therefore belongs to the interface between Psychology and Economics. It has roots in both Social Psychology and Political Economy, and nowadays we can also find parallel research in other areas such as Behavioural Economics, Socio-Economics and Behavioural Finance. The expression "Economic Psychology" was first used back in 1881, but it was only in the 1970's that the area gained greater visibility and autonomy. The International Association for the Research in Economic Psychology - IAREP was created in 1982 and it gathers psychologists, experimental economists, administrators, specialists in marketing and information technology, among other researchers, who get together in annual conferences that take place in different cities in Europe and other parts of the world. There is a very favourable and friendly atmosphere for exchange and mutual cooperation in these meetings, besides the genuine interest in building a common ground for all the different collaborators that make it up. We also have the Journal of Economic Psychology, and summer schools and workshops that occur regularly in several countries. It ought to be pointed out too that two researchers within the discipline have been awarded the Nobel Prize in Economics - Herbert Simon, in 1978, and Daniel Kahneman, in 2002, along with Vernon Smith, an experimental economist.

My involvement with Economic Psychology dates back to 1994, when I presented a project for a master's degree in Social Psychology at Universidade de São Paulo - USP, to investigate emotional aspects connected to the experience of high economic inflation and later on, a relative stabilization of our currency, such as we were having back then in Brazil. At that time, I did not know Economic Psychology existed, and used my psychoanalytical background and training to discuss this issue. Along the years in grad school I had an initial contact with a book, and a colleague from New Zealand, and thus began to discover the area. In 2000 I became a member of IAREP, and over the past few years have been attending the annual conferences. These regular meetings with colleagues from different parts from the world have provided me with a valuable source of information and stimulus to continue studying issues within the discipline. In 2000 also, I created a homepage to offer information about Economic Psychology, along with my other areas of interest. In 2002, I co-organized a small, however interesting, “Pre-Encounter of Psychology and Economics - frontiers, convergences, dilemmas”, in São Paulo, that was possibly the first initiative to bring together psychologists, economists and other specialists to discuss these issues in Brazil. In 2003 I started my Ph.D. also in social psychology, at the catholic university, PUC-SP. Since economic psychology did not exist in Brazil, it was both very hard to find a supervisor willing to accept a project in the area, and also a challenge to go on and help to build it here. My doctoral dissertation, named “Economic psychology – origins, models, proposals”, discussed the field, from a historical point of view and its general foundations, the main models developed by relevant researchers, my own suggestion of a decision-making model that laid heavily on emotional dynamics, and a proposal of agenda in economic psychology for Brazil.

This proposal was an evolution of my preliminary concerns over high inflation, when I had already become interested in the possibility of using psychological knowledge to help the population make better economic decisions. The idea ever since has always been to bring this potential contribution coming from economic psychology to inform the population on their economic behaviour and how decisions are made, which should include both knowledge about economics, finance and their mechanisms, and also psychological operations, in order to help people to learn more about these issues and from their own experience too, so as to become responsible for their own decision-making processes in the economic realm. Over the past few years, this debate on applications for economic psychology and behavioural economics in Brazil was also widened so as to include how policy-making might benefit the population as well, with suggestions on research over how policies (economic, public and social) are routinely elaborated on fields such as financial literacy and capability, micro-finance, financial inclusion, citizen and consumer protection, credit and indebtedness, the environment and policy-making, and how they could be brought closer to a more realistic level, both concretely and psychologically.

These ideas have been published in several articles and papers presented at conferences, and I have also been invited to write three books that have become the first on economic psychology written and published in Brazil: Economic decisions – have ever you stopped to think about them?, 2007, republished in 2nd edition in 2011; Economic psychology – studies on economic behaviour and decision-making, 2008; The investor’s mind, 2011. Therefore, it was only natural to begin to bring together the two areas – economic psychology and financial education – that do share the same goal: delivering information efficiently, and encouraging awareness, empowerment and emancipation of significant sectors of the population. This particular collaboration, that emphasizes the importance of necessarily including the emotional components present in decision-making and changes of behaviour, aims to improve financial education programs.

So, in 2008 I was invited to become economic psychology consultant for ENEF, the Brazilian national strategy for financial education, and around the same time, arrangements were carried on to begin training professionals for the program that treats over indebtedness, in a partnership with the state consumer protection agency and the Court of Justice.

In 2009 I had the honour of sharing a panel with Nobel winner Daniel Kahneman, at a congress organized by investment banks (ANBID, now named ANBIMA). And since 1994 I have been quite involved with the construction of economic psychology in Brazil, where I have been representing IAREP since 2004 (besides belonging to the Executive Committee for ICABEEP-The International Confederation for the Advancement of Behavioral Economics and Economic Psychology too), and have taught introductory courses on this issue since 2005 (at FIPECAFI, a foundation dedicated to teaching and research in finance and accounting, since 2009). Besides I also work as an independent consultant for economic psychology, write articles for newspapers, magazines and websites on topics from the area, and have been invited by different institutions to deliver talks about it. Finally, I must add that I am quite happy to see that economic psychology is starting to bud in Brazil, where there is still a lot to develop in this field, although at the same time, we can offer these two pioneer initiatives that involve it with financial education and policy-making – ENEF and over-indebtedness – as instances to be debated on how this kind of partnership can be further improved around the world.

A Psicologia Econômica é uma área que vem começando a se desenvolver no Brasil mais recentemente. No entanto, ela já está estabelecida na Europa, América do Norte, Nova Zelândia e Austrália há várias décadas. Seu objeto de estudo é o comportamento econômico dos indivíduos, e portanto, situa-se numa interface que reúne aspectos psicológicos e econômicos. Sua origem remete à Psicologia Social e à Economia Política, e atualmente existem também áreas que atuam em paralelo na mesma intersecção, enfatizando mais diferentes ângulos, como a Economia Comportamental, a Sócio-Economia e as Finanças Comportamentais. O termo ‘Psicologia Econômica´ foi usado pela primeira vez em 1881, mas a disciplina ganhou espaço e autonomia a partir da década de 1970. Em 1982 foi fundada a International Association for the Research in Economic Psychology - IAREP, uma associação internacional de pesquisa em Psicologia Econômica, que reúne psicólogos, economistas experimentais, administradores, profissionais de marketing e tecnologia da informação, entre outros. Estes pesquisadores se reúnem em congressos anuais, em diferentes cidades da Europa, ou do mundo. Existe um clima fértil de respeito, troca e colaboração mútua nesses encontros, e um interesse em constituir um campo de estudo comum às diferentes vertentes que o compõem. Além disso, há um periódico, Journal of Economic Psychology, e periodicamente, escolas de verão e seminários específicos em alguns países. Devemos lembrar ainda que dois pesquisadores do assunto já receberam o Premio Nobel de Economia, Herbert Simon, em 1978, e Daniel Kahneman, em 2002, sendo este em conjunto com Vernon Smith, um economista experimental.

Meu interesse pela Psicologia Econômica teve início antes mesmo de ter conhecimento que esta disciplina existia – em 1994 apresentei um projeto de Mestrado em Psicologia Social e do Trabalho no Instituto de Psicologia da USP, com o objetivo de estudar a relação que poderia haver entre aspectos emocionais e a experiência da inflação econômica alta que vínhamos tendo no país, e a partir daquele ano, a maior estabilização da moeda - em outras palavras, entre nosso funcionamento psíquico, e o que estava ocorrendo na economia, a partir, principalmente, de uma visão psicanalítica, uma vez que é essa minha formação original. Durante a elaboração da dissertação travei conhecimento com um primeiro livro dessa disciplina, e com um colega que me forneceu as primeiras informações, a partir da Nova Zelândia. Concluído o mestrado, segui buscando mais informações sobre o tema, e encontrei a IAREP, da qual me tornei membro em 2000. Passei a frequentar os congressos anuais, o que tem me permitido um intercâmbio muito importante com colegas de diferentes partes do mundo. Em 2000 também, criei uma homepage para difundir o assunto, juntamente com os outros que venho investigando. Em 2002, fui uma das organizadoras de um pequeno, porém interessante “Pré-Encontro de Psicologia e Economia – fronteiras, convergências, dilemas”, em São Paulo, que talvez tenha sido a primeira iniciativa no país a reunir psicólogos, economistas e outros especialistas para discutir esses temas. Em 2003, iniciei meu doutorado, também em psicologia social, PUC-SP. Uma vez que a psicologia econômica não existia ainda no Brasil, tive que encarar um duplo desafio: encontrar um orientador que aceitasse o projeto nessa área, e abraçar a proposta de ajudar a construir esse campo aqui. Minha tese de doutorado, intitulada “Psicologia Econômica – origens, modelos, propostas”, discutiu a área, de uma perspectiva histórica, abordando sua fundação em geral, principais modelos desenvolvidos pelos pesquisadores mais relevantes, minha própria sugestão de um modelo de tomada de decisão fortemente fundamentado em fatores emocionais, e uma proposta de agenda para a psicologia econômica no Brasil.

Esta proposta foi uma evolução das minhas preocupações iniciais com a inflação alta, quando eu já havia me interessado pela possibilidade de usar o conhecimento psicológico para ajudar a população a tomar melhores decisões econômicas. Desde então, venho sugerindo sempre que a psicologia econômica possa contribuir para informar a população sobre seu comportamento econômico e sobre como as decisões são tomadas, o que deverá incluir conhecimentos tanto sobre econômica, finanças e seus mecanismos, como sobre as operações psicológicas que lhe subjazem, a fim de ajudar as pessoas a tomar maior consciência destes aspectos e, dessa forma, poder aprender com sua própria experiência. Nos últimos anos, aplicações da psicologia econômica e economia comportamental começaram a ser discutidas no Brasil, numa ótica que passa a incluir também policy-making, isto é, politicas públicas, econômicas e sociais que possam beneficiar a população, com sugestões de pesquisa sobre o modo como estas são, geralmente, elaboradas em campos tais como educação financeira, microfinanças, inclusão financeira, proteção do cidadão e do consumidor, crédito e endividamento, meio ambiente, e também, como estas políticas poderiam ser trazidas para uma dimensão mais realista, tanto do ponto de vista concreto, como psicológico.

Tenho publicado ideias em torno destes temas em artigos e trabalhos científicos apresentados em congressos, e também fui convidada a escrever os três primeiros livros de psicologia econômica produzidos no Brasil: Decisões Econômicas – Você já parou para pensar? [2007, Saraiva, 1ª.ed., 2011, Évora, 2ª.ed.], Psicologia Econômica – estudo do comportamento econômico e da tomada de decisão [2008, Campus/Elsevier,], A Cabeça do Investidor [2011, Évora].

Foi, portanto, uma evolução natural reunir as duas áreas – psicologia econômica e educação financeira – uma vez que ambas compartilham o mesmo objetivo: oferecer informação de forma eficiente, encorajando a conscientização, o empoderamento e a emancipação de todos os setores da população, com especial atenção para aqueles que são mais vulneráveis. Esta colaboração, que enfatiza a importância de, necessariamente, incluir-se os componentes emocionais presentes no processo decisório e a investigação de mudanças efetivas de comportamento nos processos educacionais, visa contribuir para uma maior eficácia dos programas de educação financeira.

Em 2008, fui, então, convidada a prestar consultoria na área de psicologia econômica para a ENEF-Estratégia Nacional de Educação Financeira [projeto coordenado pelo Banco Central do Brasil, CVM, SUSEP e PREVIC, ao lado de outras instituições públicas e privadas, com destaque para o MEC]. À mesma época, tiveram início, também, as primeiras discussões com a Fundação Procon-SP, que viria a formalizar uma parceria com o Tribunal de Justiça de São Paulo num projeto de tratamento do superendividamento. O resultado foi uma capacitação em psicologia econômica de conciliadores do TJ e técnicos do Procon envolvidos nesse trabalho.

Em 2009 tive a honra de dividir um painel com o psicólogo que foi Nobel de Economia, Daniel Kahneman, no congresso da ANBID [atualmente, ANBIMA]. E, desde 1994, tenho estado bastante envolvida com a construção da psicologia econômica no Brasil, onde represento a IAREP desde 2004, além de estar, também, no Comitê Executivo da ICABEEP-The International Confederation for the Advancement of Behavioral Economics and Economic Psychology. Outro setor de atuação importante para este objetivo de colaborar para o estabelecimento da disciplina no país tem sido os cursos introdutórios que venho oferecendo desde 2005 [atualmente, na FIPECAFI, fundação dedicada ao estudo e pesquisa nas áreas de finanças, contabilidade e atuarial, desde 2009]. Também trabalho como consultora independente de psicologia econômica, escrevo artigos para jornais, revistas e websites sobre temas da área, e ministro palestras em diferentes instituições no Brasil e em alguns outros países. Para terminar, devo dizer que me sinto muito feliz de ver que a psicologia econômica começa a florescer em nosso país, ainda que tenhamos ainda um longo caminho a percorrer nesse sentido, embora já possamos, ao mesmo tempo, oferecer estas duas iniciativas pioneiras no que se refere às contribuições psicoeconomicas para a educação financeira e o debate sobre políticas, nos projetos da ENEF e do Procon-TJ, que são exemplos que podem ilustrar como este tipo de parceria pode ser implementado e desenvolvido em outros países também.